terça-feira, 4 de junho de 2013

Baixa Pombalina



A Baixa Pombalina

A baixa de Lisboa, também chamada Baixa Pombalina ou Lisboa Pombalina por ter sido edificada por ordem do Marquês de Pombal, na sequência doterramoto de 1755, cobrindo uma área de cerca de 23,5 hectares. Situa-se entre o Terreiro do Paço, junto ao rio Tejo, e o Rossio e a Praça da Figueira, e longitudinalmente entre o Cais do Sodré, o Chiado e o Carmo, de um lado, e aSé e a colina do Castelo de São Jorge, do outro.

A freguesia de São Nicolau ocupa a parte central da Baixa, sendo rodeada, no sentido dos ponteiros do relógio, pelas freguesias dos Mártires, Sacramento,Santa Justa, São Cristóvão e São Lourenço e Madalena.

Urbanismo

Rua Augusta

Baixa é formada por um conjunto de ruas rectas e perpendicularesorganizadas para ambos os lados de um eixo central constituído pela Rua Augusta. Os edifícios têm uma arquitectura semelhante, com rés-do-chão comerciais e andares superiores para habitação. 

As dimensões de vãos e pés-direitos eram uniformes, o que permitiu a construção mais rápida com recurso a elementos pré-fabricados, como é o caso das cantarias das janelas de dois únicos tipos — um para as fachadas das ruas principais e outro para as fachadas das ruas secundárias.

As fundações dos edifícios assentam sobre estacaria em pinho verde, cravada em terrenos de aluvião abaixo do nível freático, servindo de embasamento para os alicerces. Ao nível das lojas, as salas são abobadadas com tijoleira e rematadas por arcos de cantaria. 

Os andares superiores foram construídos com uma das particularidades notáveis das estruturas pombalinas, a designada gaiola pombalina, uma estrutura interior de madeira com travamento, projectada para distribuir as forças sísmicas.

É um dos primeiros exemplos de construção anti-ssísmica. Os modelos  arquitectónicos foram testados com a utilização de tropas em marcha para simular um terramoto. Para a prevenção e combate aos incêndios, todos os quarteirões tinham poços de água nos saguões e as paredes entre os edifícios eram mais altas que o telhado para prevenir a progressão do fogo (paredes corta-fogo).


Praça da Figueira _ Local do antigo Hospital de Todos os Santos
A Baixa dispôs da primeira verdadeira rede de esgotos domésticos, dando para colectores subterrâneos sob as ruas. Foi apreciada como candidata portuguesa à lista de Património Mundial em 7 de Dezembro de 2004, declarando-a superior às áreas planeadas em Edimburgo, Turim eLondres; inclusivamente, a inscrição alega que os planos da reconstrução de Londres após o Grande Incêndio "não implementa princípios gerais" tais como os conseguidos na zona pombalina.


Arco do Triunfo na Rua Augusta
A parte central da Baixa corresponde à zona aplanada resultante do enchimento aluvionar do antigo esteiro do Tejo, onde desaguavam as (agora encanadas) ribeiras do Vale Pereiro e de Arroios. Ao enchimento aluvionar somou-se o aterro realizado com o entulho das ruínas e demolições da cidade pré-terramoto, elevando o nível médio da Baixa em mais de um metro.

No tempo dos romanos o esteiro era o centro de actividades portuárias, de salga de peixe e de produção de garum. As diferentes fases de evolução do esteiro e da ocupação da Baixa podem ser percebidas no Núcleo Arqueológico da Rua dos Correeiros.




A família real escapou ilesa da catástrofe. O  rei D. José I e a corte tinham deixado a cidade, depois de assistir à missa ao nascer do sol , cumprindo o desejo de uma das filhas do rei para passar o feriado longe de Lisboa. Depois da catástrofe, D. José I ficou com medo de viver dentro de paredes , o tribunal foi acomodado num enorme complexo de tendas e pavilhões nas colinas da Ajuda, nos arredores de Lisboa. 

A claustrofobia do rei nunca diminuiu , e só depois da morte de Jose que a sua filha Maria I de começou a construir o Palácio Real da Ajuda , que ainda está no local do antigo acampamento de tendas . Tal como o rei, o primeiro-ministro Sebastião de Melo ( Marquês de Pombal ) sobreviveu ao terremoto. Quando lhe perguntaram sobre o que se tinha de fazer, Pombal teria respondido " Enterrar os mortos e curar os vivos " e começou a organizar ajuda e reabilitação . 

Brigadas de bombeiros foram enviadas para apagar os grandes incêndios, e equipas de presos e cidadãos comuns foram obrigados a remover os milhares de cadáveres antes de propagação de doença.  Ao contrário do costume, mas com a autorização do Patriarca de Lisboa, muitos corpos foram carregados em barcaças e deitados ao mar para além da foz do rio Tejo. Quando lhe perguntaram como fazer com os pedaços dos corpos despedaçados e que iam ser lançados ao mar, o Marquês respondeu : "Deus lá no Céu, saberá a que corpo pertencem". 

Para impedir a desordem na cidade em ruínas , os regimentos do exército Português foram chamados à pressa das unidades espalhadas pelo  país, impedindo os habitantes que não tinham qualquer tipo de ferimentos de fugir, e foram obrigados a trabalhar na limpeza e reconstrução da cidade. Para evitar e punir os roubos e o saqueio dos bens das habitações destruídas, criou equipas de três  funcionários, um juiz, um padre e um carrasco, e quem fosse apanhado a roubar ou a saquear, era ali mesmo julgado e pendurado nas muitas forcas que foram montadas para o efeito.

O rei e o primeiro-ministro tomaram imediatamente medidas para reconstruir a cidade . Em 4 de dezembro de 1755 , pouco mais de um mês após o terramoto, Manuel da Maia , engenheiro-chefe do reino , apresentou os seus planos para a reconstrução de Lisboa. Maia apresentou cinco opções de para a construção de uma cidade completamente nova .

O primeiro plano era reconstruir a cidade antiga , utilizando materiais reciclados , que era a opção mais barata .

O segundo e terceiro planos reconstruir na forma antiga, mas alargar as ruas,

A quarta opção e a mais corajosa era a de arrasar toda a baixa de Lisboa, e reconstruir,  impondo novas regras de construção. O ministro e o Rei escolheram a quarta solução.

Quem tinha já construido fora deste ordenamento, foi obrigado a demolir, pois caso contrário seria demolido pelo estado e os proprietários teriam que pagar essa demolição. Quem não tivesse fundos para a reconstrução, era obrigado a vender a propriedade ou o seu local.

Em menos de um ano, a cidade foi limpa de detritos.para ter uma cidade nova e perfeitamente ordenada, o rei encomendou a construção de grandes praças, retilíneas, grandes avenidas e ruas - Alargar - as nova divisa de Lisboa.

A Baixa Pombalina foi dos primeiros edifícios construidos na Europa com proteção anti-sísmica. Eram feitos pequenos modelos de madeira construídas para teste, e os terremotos eram simulados pelo marchar de tropas à sua volta. Cidade Baixa de Lisboa, hoje conhecida como a Baixa Pombalina (baixa de Lisboa), é uma das famosas atracções da cidade. Seções de outras cidades portuguesas, como a Vila Real de Santo António no Algarve, também foram reconstruídas de acordo com princípios pombalinos.

A Casa Pia, uma instituição fundada por D. Maria I (conhecida como "Maria, a Piedosa"), e organizado pela Intendente de polícia Pina Manique, em 1780, foi fundada depois da desordem social provocada pelo terramoto de 1755 em Lisboa.


Nenhum comentário: